Como foi o mercado ontem:

**ONTEM**
As bolsas de Nova York fecharam sem sinal único nesta sexta-feira, 14, em sessão marcada pelo começo da temporada dos principais balanços nos Estados Unidos. Alguns dos maiores bancos do país publicaram quedas nos lucros, pressionando o setor como um todo. Além disso, o mercado continuou se ajustando à postura “hawkish” (mais dura) do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano). As perdas se intensificaram depois que o Departamento do Comércio dos EUA revelou que as vendas no varejo nos EUA diminuíram 1,9% em dezembro ante novembro, bem mais que a queda de 0,1% prevista por analistas consultados pelo The Wall Street Journal. A Capital Economics culpa a inflação elevada e gargalos na cadeia produtiva pelo desempenho, mas ainda vê um “impacto modesto” da Ômicron. Enquanto isso, as apostas para aumento da taxa básica pelo Fed avançam, e a expectativa de elevação em ao menos 25 pontos-base até a reunião de março de política monetária chegou a 86,1%, segundo monitoramento do CME Group – fonte.

• Dow: -0,56%; queda de 0.88% na semana.
S&P: +0.08%; queda de 0.3% na semana.
• Nasdaq: +0.59%; queda de 0.28% na semana.

Setores: destaque para as empresas ligadas ao petróleo, com alta de 3.1% para as que atuam em exploração e produção; e alta de 2.35% para as mais diversificadas. Outro setor que foi bem foi o setor de Biotech que subiu mais de 2% assim como o setor de semicondutores com alta de 2.4%. Na ponta contrária, os dados de vendas do varejo mais fraco pesaram sobre as empresas do setor com queda de 2.% do varejo. Outro setor que não foi bem foi o de construtoras com quedas de 1.6%. Entre os papeis o JP Morgan foi o destaque de queda do S&P caindo 6.1%; na ponta oposta as empresas de cassino performaram bem, sendo a Las Vegas Sands a ação de melhor performance do S&P 500, subindo 14%.

Dolar: O dólar comercial fechou em alta de 0,24% nesta segunda-feira, negociado a R$ 5,5261 em um pregão de poucos negócios por causa do feriado de Martin Luther King. A moeda americana operou praticamente o dia inteiro perto da estabilidade, antes de fechar em alta leve.

Notícias Corporativas


JPMorgan (JPM)
O JPMorgan divulgou na sexta-feira pela manhã os resultados do quarto trimestre que excederam as expectativas dos analistas. JP reportou receita de $30,35 bilhões versus $29,9 bilhões estimados; e lucro de $ 3,33/ação contra a estimativa de $ 3,01. Depois de reservar bilhões de dólares para perdas com empréstimos no início da pandemia em caso de risco bancário, o JPMorgan se beneficiou ao liberar esses fundos nos trimestres consequentes. Mesmo ao incluir o aumento das provisões, o JPMorgan registrou o menor resultado nos últimos sete trimestres. O seu braço de investimentos viu receita crescer 37% e ajudou resultado. O CEO Jamie Dimon disse: “A economia continua indo muito bem, apesar dos ventos contrários relacionados à variante Omicron, inflação e gargalos na cadeia de suprimentos”, disse Dimon no comunicado. “O crédito continua saudável com baixas líquidas excepcionalmente baixas e continuamos otimistas com o crescimento econômico dos EUA.”
O JPM vale mais de U$ 497 bilhões, possui forward P/E de 14,11 e dividend yield de 2,38%. Suas ações caíram 6.15% na sexta sem nenhuma notícia específica.

Citigroup (C)
O Citigroup divulgação de resultado que mostrou uma queda acentuada de lucro. Lucro por ação: US$ 1,46, mas não ficou claro se isso é comparável ao US$ 1,38 estimado pela Refinitiv; Receita: US$ 17 bilhões contra US$ 16,75 bilhões esperados. O lucro líquido do Citi caiu 26%, para US$ 3,2 bilhões com um aumento de 18% na comparação anual nas despesas operacionais; além disso a empresa citou um “impacto antes de impostos” de cerca de US$ 1,2 bilhão relacionado à venda de seus negócios bancários de consumo na Ásia. Quando a CEO Jane Fraser assumiu há um ano ela optou por sair de partes menos lucrativas das operações globais da empresa. Seu primeiro grande movimento estratégico foi deixar 13 mercados de varejo na Ásia e na Europa; desde aquele anúncio de abril, ela divulgou planos de deixar a Coreia do Sul e o México.
O Citigroup vale cerca de U$ 130 bilhões, forward P/E de 9x, e dividend yield de 3%. As ações caíram1,3% na sexta.

Wells Fargo (WFC)
O Wells Fargo (WFC), quarto maior banco dos Estados Unidos, divulgou resultados acima do esperado pelo mercado e suas ações subiram 3.5% na sexta. O crescimento do lucro líquido em relação ao 4T20 (saindo de US$ 3,1 para US$ 5,8 bilhões) foi impactado pela venda dos negócios de gestão de ativos e de Corporate Trust. Houve também redução de provisões; as receitas cresceram 12,8% na comparação anual; o segmento de Corporate & Investment Banking, que cresceu 11,4% no ano, impulsionado por maiores empréstimos (+22%) e mais estruturações nas captações de dívida.
Com boas perspectivas para a companhia, após alguns períodos de reestruturação, as ações WFC (que subiram mais de 60% em 2021) já sobem 22,3% em 2022, na maior cotação desde setembro de 2018.

BlackRock (BLK)
A BlackRock (BLK), maior gestora de ativos do mundo, divulgou lucros acima do esperado, mas receitas abaixo das projeções. Receitas: US$ 5,11 bilhões (+14% YoY), expectativa de US$ 5,16 bilhões; Lucro por Ação (LPA): US$ 10,42 quando a expectativa era de US$ 10,15. Além disso, a empresa terminou o ano com US$ 10 trilhões sob gestão, um aumento de 15% em relação mesmo último trimestre de 2020. Com a valorização de mais de 10% das ações no mercado americano no último trimestre de 2021, a empresa viu um ingresso de US$ 169 bilhões em seus produtos de investimento para o longo prazo, como ETFs e mutual funds.
Com US$ 127 bilhões de valor de mercado e valorização de 26% em 2021, as ações da BlackRock (BLK) caem 8,6% em 2022, frente a uma queda de 3,0% do S&P 500.

O que esperar para o mercado hoje

As bolsas mundiais recuam nesta terça-feira em meio à alta dos preços do petróleo, preocupações com a inflação e com a alta de juros em meio a um salto nos rendimentos dos títulos globais.. Os preços do petróleo avançam, com o preço do barril tipo Brent atingindo o maior patamar em mais de sete anos. Há preocupações quanto à oferta após ataques a cargueiros de combustíveis nos Emirados Árabes Unidos executados pelo grupo Houthi do Yemen, alinhado ao Irã. Nesta terça-feira deve ser divulgado o relatório mensal da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep).

• Ásia: As bolsas asiáticas fecharam a terça-feira com quedas em sua maioria.

• Europa: Na Europa, o índice Stoxx 600, recua, com destaque negativo para o setor de tecnologia. • Futuros: apontam para um dia difícil com queda de 0.7% do Dow, -1.1% para o S&P e -1.8% do Nasdaq.

• Agenda: Licenças para construção as 10h30.

• Balanços: Charles Schwab, Goldman Sachs, Bankof NY Mellon e PNC Financial Services.

Gostou deste artigo?

Se inscreva na nossa newsletter e fique por dentro de tudo

    Desejo receber atualizações de notícias, eventos e ofertas.

    Ainda não é cliente?

    Abra sua sua conta sem custos para ter acesso a todo o nosso material

    Abra sua conta