Avenue
Compartilhe este post

Muito se fala das big techs hoje em dia. Do seu tamanho, sua relevância na bolsa americana, seus resultados, do quanto suas ações têm subido recentemente etc. Também pudera, além de serem nomes conhecidos, essas empresas fazem parte da nossa vida.

Nas últimas semanas algumas delas (Microsoft, Apple, Google e Amazon) divulgaram seus resultados e, como de praxe, chamaram a atenção do mercado. Os números são realmente superlativos. Mas quão superlativos são eles? Como colocar em contexto o que essas empresas representam hoje?

Este Insights será dedicado a isso. Então vamos lá…

 

RESUMO DOS RESULTADOS

Falando dos resultados, de forma bem resumida, o mercado reagiu positivamente aos números da Meta e da Amazon; de forma mais tímida ou neutra aos números da Microsoft; e de forma negativa à Apple e ao Google.

 

Por quê?

Amazon e Meta reportaram números muito fortes do ponto de vista operacional, com ambas as empresas colhendo os frutos de sua busca por eficiência e cortes de despesas ao longo de 2023. Além disso, ambas trouxeram novidades que vão além do resultado. Pelo lado da Meta, o anúncio de dividendos, um guidance de lucro maior do que o esperado e uma recompra de ações. E a Amazon apresentou uma série de iniciativas que visam melhorar sua operação com a integração de inteligência artificial em várias vertentes.

Já no caso de Apple e, especialmente, Google, o que acontece é que quando você tem empresas que são precificadas em múltiplos elevados, com suas ações tendo apresentado alta performance nos últimos 12 meses, uma leve decepção em uma linha de receita pode justificar uma realização de lucros em uma posição. Esse foi o caso de ambas. O Google apresentou um crescimento levemente aquém do esperado em seu segmento de Cloud e nos Ads do YouTube; já as vendas na China e de sua linha de serviços da Apple também não alcançaram as estimativas do mercado.

Comentários completos desses e de outros resultados você encontra aqui.

 

PERFORMANCE DIFERENCIADA NOS ÚLTIMOS 12 MESES

Para contextualizar para quem pode não estar tão familiarizado com o mercado americano, é importante observar que o índice S&P 500 atingiu máximas históricas este ano. No entanto, grande parte desse desempenho é atribuída ao forte desempenho de um número limitado de ações, especialmente as big techs. No gráfico abaixo, comparamos a performance do índice (linha preta) nos últimos 12 meses com a de Microsoft (lilás), Google (verde), Apple (vermelho) e Amazon (laranja). Enquanto o índice acumula alta de 21%, observamos que essas ações apresentaram uma performance bastante “exuberante”, com aumentos significativamente maiores do que a média do mercado.

 

Fonte: Tradingview – 08/fev/2024

 

A essas ações poderíamos adicionar Nvidia (a qual ainda não reportou seus resultados trimestrais) e a Tesla. Essas 7 ações têm sido chamadas no mercado americano de Magnificient 7. E como reflexo, dessa forte performance, elas passaram a ter uma relevância muito grande em termos de proporção do índice S&P 500, respondendo hoje por aproximadamente

 

POR QUE ELAS SÃO CHAMADAS DE MAGNIFICIENT 7

De acordo com o site Investopedia, essa expressão “Magnificent Seven” foi cunhada pelo analista do Bank of America, Michael Hartnett, em 2023, ao comentar sobre as sete empresas comumente reconhecidas por seu domínio de mercado, seu impacto tecnológico e suas mudanças no comportamento do consumidor. Ela deriva de um filme de faroeste da década de 60, “The Magnificent Seven”, dirigido por John Sturges.

Curiosidades à parte, a expressão serve para representar empresas que, sob o ponto de vista financeiro e/ou econômico, possuem características interessantes como: elevado crescimento de lucros, margens de lucro e retorno sobre os investimentos elevados, forte posição e geração de caixa, entre outras. A tabela abaixo compila alguns desses dados dessas empresas.

Fonte: CNBC – 02/fev/2024

 

Uma forma ainda melhor de vermos essa força de seus resultados é comparando com o resto do mercado. O gráfico abaixo compara o fluxo de caixa livre dessas 7 empresas em comparação com as demais empresas do S&P 500 (gráfico da esquerda); e a margem de lucro dessas empresas em comparação com as demais (gráfico da direita).

Fonte: Etfstream – 08/jan/2024

 

E quando falamos nessas empresas, estamos tão acostumados a citar, ler ou ouvir números que são tão superlativos que muitas vezes passam despercebidos. Então talvez uma forma de contextualizarmos melhor o tamanho dessas empresas seja fazermos algumas comparações. Vejamos:

 

ALGUMAS COMPARAÇÕES…

Lucros que impressionam. Na tabela acima, se somarmos o lucro reportado por essas empresas nos últimos 12 meses, chegamos à impressionante cifra de US$ 361 bilhões. Esse número é semelhante ao valor de mercado das 8 maiores empresas listadas na Bovespa (Petrobras, Vale, Itaú, Ambev, Banco do Brasil, Bradesco, Santander e Vivo) somados.

Valor de mercado comparado… A relevância dessas empresas não veio por acaso. Na verdade, nos últimos 12 meses, a forte valorização percebida por essas ações chamou atenção, com algumas delas alcançando valores de mercado superiores aos de mercados inteiros.

Em 2023, a Apple atingiu um valor de mercado de mais de US$ 3 trilhões, tornando-se a maior empresa do mundo. Essa posição é hoje ocupada pela Microsoft, a qual, após a alta de 57% de suas ações nos últimos 12 meses, é avaliada na bolsa americana em US$ 3,12 trilhões, número esse que é maior do que o PIB de todas as maiores economias do mundo, exceto seis. De acordo com dados do PIB de 2023 do Banco Mundial, as economias maiores que a capitalização de mercado da Microsoft incluem os EUA no topo (US$ 26,95 trilhões), seguidos pela China (US$ 17,7 trilhões), Alemanha (US$ 4,43 trilhões), Japão (US$ 4,23 trilhões), Índia (US$ 3,73 trilhões) e Reino Unido (US$ 3,33 trilhões). A França, a sétima maior economia, tem um PIB de cerca de US$ 3,05 trilhões.

Outra comparação possível é o valor de mercado da Microsoft (US$ 3,1 trilhões), a maior empresa americana, com outros mercados. Por exemplo:

 

  • Seu valor é maior do que o de mais de 200 empresas listadas na bolsa da Alemanha, as quais somam US$ 2,25 trilhões –
  • Seu valor é três vezes maior do que o das 80 maiores empresas brasileiras somadas (~US$ 870 bilhões) –
  • Seu valor é mais do que o dobro do mercado coreano (~US$ 1,2 trilhão) –

 

Segundo Aswath Damodaran, professor da Universidade de Nova York, essas 7 ações (Amazon, Apple, Alphabet, Meta, Microsoft, Nvidia e Tesla) acrescentaram US$ 5,1 trilhões à sua capitalização de mercado em 2023, o que representa mais da metade (55%) dos US$ 9,2 trilhões adicionados durante o ano por todas as 6.658 empresas norte-americanas.

 

Fonte: Aswath Damodaran on X – 09/fev/2023

 

E a escalada das ações da Nvidia, por exemplo, nos últimos 12 meses encerrados em 08/fev/2023 (+217%), associada à queda das ações chinesas, fez com que seu valor de mercado (US$ 1,8 trilhão) chegasse ao mesmo patamar de todas as empresas chinesas listadas na Bolsa de Valores de Hong Kong combinadas (fonte)

Quase metade da população mundial! Em sua última divulgação de resultados, a Meta informou que nos últimos 3 meses de 2023 a companhia alcançou um número de 3,98 bilhões de usuários registrados e logados em um ou mais de seus produtos (Instagram, Facebook, WhatsApp). Ora, estima-se que atualmente a população global esteja em 8 bilhões. Isso quer dizer que quase metade da população mundial está conectada a algum app da empresa!

 

Fonte: Meta – 01/fev/2024

  

Bilhões… de clientes! Em sua última divulgação de resultados, a Apple anunciou como destaque que havia alcançado o recorde de mais de 2,2 bilhões de dispositivos (devices) ativos em sua base instalada (fonte). E graças a esses, a empresa conseguiu alcançar a marca de mais de 1 bilhão de clientes usando algum de seus serviços como o Apple Cloud, Music, TV, entre outros. São mais de 1 bilhão de clientes que assinam algum serviço da Apple e geram receitas para a empresa em bases mensais (fonte).

Grandes saltos, grandes tombos. Com valores de mercado tão grandes, as oscilações nas ações dessas empresas geram ganhos ou perdas de mercado que espantam. Recentemente, após o resultado, vimos fortes movimentações de algumas dessas ações. As ações da Meta, por exemplo, repercutiram positivamente aos números e a empresa ganhou mais de US$ 200 bilhões em valor de mercado em apenas um dia. Ou seja, em um único dia, a Meta ganhou um valor de mercado semelhante ao valor da Disney inteira!

Já o Google perdeu quase US$ 180 bilhões em valor de mercado após a divulgação de resultados do 3T23 em outubro, sendo a quarta maior perda de valor de mercado da história. Botando isso em contexto, esse número é maior que o valor de mercado de empresas como IBM, Nike ou Pfizer, por exemplo.

Fontes: The Transcript on X – 02/fev/2024 e Bloomberg – 26/out/2024

 

Recompras monstruosas. Prática comum de muitas empresas nos EUA é executar planos de recompras de ações. Mas quando se trata das big techs, mais uma vez os números são monstruosos. Em seu último resultado, a Meta anunciou que pretende recomprar US$ 50 bilhões de suas ações no mercado, algo em torno de ~R$ 250 bilhões, um valor maior do que o valor de mercado da Ambev, por exemplo. A Apple, por exemplo, recomprou US$ 619 bilhões em ações nos últimos 10 anos, um número que é superior ao valor de mercado de 492 empresas do S&P 500!

Fonte: Charlie Bilello on X – 04/fev/2024

 

Segmentos maiores que muitas empresas. Mesmo quando olhamos apenas alguns segmentos dessas empresas, os números impressionam. Por exemplo, nos últimos anos, a Amazon percebeu um grande crescimento de seu segmento de computação em nuvem (cloud computing) chamado AWS – vide gráfico abaixo. Atualmente, o AWS alcançou a marca de mais de US$ 90 bilhões de receitas em 2023. Interessante que esse número é mais que o dobro da receita de toda a Vale nos últimos 12 meses (~US$ 40,7 bilhões).

 

Fonte: Charlie Bilello on X – 04/fev/2024

 

Outra comparação impressionante são as vendas dos AirPods da Apple, as quais se equiparam às receitas de grandes empresas de tecnologia – vide gráfico abaixo.

Fonte: LinkedIn – 25/ago/2023

 

Vale ressaltar que todos os dados e comparações citados aqui servem apenas como forma de exemplificar e tornar mais “palpável” a compreensão do tamanho dessas companhias. Em nenhum momento se objetiva fornecer qualquer tipo de recomendação de investimentos.

 

E QUANTO AOS DEMAIS RESULTADOS…

Até agora, 67% das empresas do S&P 500 divulgaram seus números, sendo que 74% vieram em linha ou superaram as estimativas do mercado em relação à receita, e 84% vieram em linha ou superaram as estimativas do mercado em relação ao lucro.

E para esta semana, esta é a agenda:

 

LEMBRETES…

Para aqueles que não puderam assistir ao vivo, não se preocupem, pois nossas transmissões ficam gravadas. Tivemos nossas duas lives mensais na semana passada.

Primeiramente, para aqueles que desejam estar atualizados sobre o que está acontecendo na economia e no cenário de investimentos:

 

Conexão Avenue – Cenário Macro para fevereiro

Atualizamos nossos relatórios de sugestões de investimentos, os quais estão disponíveis na área de clientes do nosso site ou app. E como de costume, realizamos uma live para discutir sobre os ativos do Seleção Avenue – Ideias de investimentos em Ações, REITs e ETFs.

 

Live do Seleção Avenue

 

E para quem quiser sempre deixo aqui o convite para me seguir nas redes sociais – @willcastroalves tanto no Twitter quanto no Instagram – e diga o que achou.

 

Aquele abraço!

William Castro Alves

Estrategista-chefe da Avenue Securities

 

 

DISCLAIMER
A Avenue Securities LLC é membro da FINRA e da SIPC. Oferta de serviços intermediada por Avenue Securities DTVM. Veja todos os avisos importantes sobre investimento: https://avenue.us/termos/.
As expressões de opinião são a partir desta data e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. Não há garantia de que estas declarações, opiniões ou previsões aqui fornecidas se mostrem corretas. Este material está sendo fornecido apenas para fins informativos. Qualquer informação não é um resumo completo ou uma declaração de todos os dados disponíveis necessários para tomar uma decisão de investimento e não constitui uma recomendação.
O desempenho passado não é indicativo de resultados futuros. Investir envolve risco e você pode incorrer em um lucro ou perda, independentemente da estratégia selecionada.
Os links estão sendo fornecidos apenas para fins informativos. A Avenue não é afiliada e não endossa, autoriza ou patrocina nenhum dos sites listados. A Avenue não é responsável pelo conteúdo de qualquer site ou pela coleta ou uso de informações sobre os usuários de qualquer site.
O investimento internacional envolve riscos especiais, incluindo flutuações cambiais, diferentes padrões contábeis financeiros e possível volatilidade política e econômica.
Tenha em mente que os indivíduos não podem investir diretamente em nenhum índice, e o desempenho do índice não inclui custos de transação ou outras taxas, o que afetará o desempenho real do investimento. Os resultados individuais do investidor variam. O desempenho passado não garante resultados futuros.
Manter ações para o longo prazo não garante um resultado rentável. Investir em ações sempre envolve risco, inclusive a possibilidade de perder todo o investimento.
Não há garantia de que essas opiniões ou previsões aqui fornecidas se mostrem corretas.
Qualquer informação não é um resumo completo ou declaração de todos os dados disponíveis necessários para tomar uma decisão de investimento e não constitui uma recomendação. Os investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os investidores.
Os materiais que mencionam ETFs específicos devem incluir o seguinte disclaimer de declaração de oferta: Antes de investir, considere os objetivos, riscos, taxas e despesas do investimento. Entre em contato com [email protected] para obter um prospecto contendo essas e outras informações importantes. Leia com atenção antes de investir.

 

 

Fale com a gente